quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

E A VIDA CONTINUA

Sempre que se aproxima o final de um ciclo do movimento de translação da terra ao redor do sol, somos levados a imaginar que junto com o recomeço de um novo ciclo, teremos também uma espécie de recomeço em nossas vidas.

Passado a euforia da expectativa de que entre o último instante do ciclo anterior e o primeiro instante do novo ciclo que se inicia, algo grandioso irá acontecer, percebemos que a noite continua correndo no mesmo ritmo e que, com o raiar do sol, nasce mais um dia igual a tantos outros.

Então, o que realmente muda ?

Talvez, o que precise mudar, seja a nossa disposição em mudar a nós mesmos. Mudarmos não a cada ciclo anual, mas mudarmos a cada dia, sempre na direção de tornarmo-nos pessoas melhores.

Talvez, antes de esperarmos que mudanças aconteçam em nossas vidas, trazidas pelas forças cósmicas de um novo ciclo que se inicia, devamos questionar o que fizemos na busca das mudanças que pretendemos para nossas vidas.

Talvez, antes de esperarmos que junto com o ano novo que se inicia, novas oportunidades irão surgir, devamos nos questionar sobre o que fizemos com as oportunidades que surgiram no nosso caminho no ano que se foi.

Talvez, antes de planejarmos as situações que iremos vivenciar no novo ano que se inicia, devamos refletir sobre o que aprendemos nas oportunidades que vivenciamos no ano que se finda.

Talvez, o mais importante de um novo recomeço, seja a oportunidade que temos de poder fazer diferente, e de nos renovarmos sempre.

E não precisamos esperar que a terra faça um giro inteiro sobre o sol para que isso aconteça.

Gilson Tavares (psicanalista e educador)
http://gilsontavares.blogspot.com/

          




http://estudoeanalisedocomportamentohumano.blogspot.com/

3 comentários:

  1. Ótimo texto Gilson.

    E é por aí mesmo. No dia a dia, e até no instante seguinte. Mudança de fato implica em "agora", nesse instante. Nunca, "amanhã", no ano novo, no dia dos namorados.

    Mas a magia da ritualização, dos ciclos, dos períodos que se encerram e iniciam... ah, tem um sabor de sonhos irresistível. Difícil mesmo não se deixar levar. Até postergar decisões, esperando por aquele momento "renovador".

    É intrínseco ao Humano esse devaneio lúdico e, talvez, seja a própria definição da humanidade.

    Porém, como tudo tem um mas... uma hora aprendemos. E mudamos. Agora, já, nesse instante.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Olá Gilson!
    Maravilhosa reflexão!
    Eu acredito também que temos todos os dias do ano para fazermos as coisas acontecerem sem termos que esperar alguma data estipulada para que a consciência da mudança venha a tona! Muito se fala sobre o futuro, mas pouco se faz no presente... E, pior, o passado fica assombrando, amarrando e impedindo que as forças sejam renovadas... As oportunidades estão diante de nós... cabe-nos apenas percebê-las e transformá-las em realizações de fato!
    Excelente o seu texto! Parabéns!
    Grande beijo,
    Jackie

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo seu texto. Gostei francamente

    A mudança é sempre difícil de se encarar.
    Quando um novo ano se inicia, fazem-se muitos projectos, mas na essência fica tudo na mesma.
    Ainda ontem relia um famoso livrinho que nos fala sobre este assunto, "Quem mexeu no meu queijo" exactamente porque sou das que faz muitos planos para tão pouco.
    Abs

    ResponderExcluir