segunda-feira, 18 de agosto de 2014

O QUE FAZ UMA VIDA TER VALIDO A PENA?

Qual sentido podemos encontrar para a existência?, se um dia, sem nenhum sinal ou aviso, essa existência simplesmente chega ao seu final?
Todos os dias, das mais diversas formas, pessoas mais próximas e pessoas mais distantes de nós, das mais diversas condições sociais, raças e credos, chegam ao final da sua jornada.
E o que pode diferenciar uma vida de outra?
O que pode tornar o fim de uma existência mais sentida ou lamentada do que outra, não apenas por seus familiares e pessoas do seu convívio?
Como seres biológicos, somos todos iguais; como seres sociais, mesmo em condições sociais semelhantes, nos tornamos diferentes, pelas nossas ações e pelo rumo que damos a nossa vida.
Percebemos então, que somos nós mesmos que fazemos a nossa vida ter valido a pena.
Todos nós sabemos de tantas pessoas que passaram pela vida sem terem vivido, sem terem deixado nenhum vestígio da sua existência; de outras que melhor seria nem terem existido, pelas histórias de sofrimento e dor que deixaram por onde passaram, com suas ações que só causaram destruição e desarmonia; e os que transformaram as suas vidas e o mundo ao seu redor em algo melhor, são esses que fazem a diferença.
            Esse artigo, escrito num momento de luto, pela perda trágica do candidato à Presidência da República, Eduardo Campos, não tem como objetivo apenas mostrar solidariedade humana pela perda do grande Estadista, pai de família e pessoa humana que foi Eduardo Campos, mas também para servir de reflexão sobre a nossa própria finitude, de como estamos construindo a nossa existência.
            Nesses momentos, confirmamos que não temos controle algum sobre a nossa própria vida. Num momento, estamos cheios de planos, e no momento seguinte, passamos a ser apenas uma lembrança. Percebemos então que o que determina a diferença é a forma como vivemos a nossa vida.
            Percebemos também que talvez o que faça uma vida ter valido a pena não tenha sido o sucesso financeiro, a fama, o status social, os títulos acadêmicos conquistados ou a roupa de marca que usamos, mas a forma como lutamos por nossos sonhos, a forma como enfrentamos os nossos fantasmas, a forma como superamos os nossos desafios, a forma como fizemos a diferença na vida de alguém, o que aprendemos com as experiências de vida que tivemos, a forma como atuamos no mundo ao nosso redor, a forma como lidamos com as pessoas que passaram pela nossa vida.
            Aproveitemos a oportunidade de está vivo; aproveitemos as oportunidades que a vida coloca no nosso caminho; aprendamos com as nossas experiências e com as pessoas que cruzarem o nosso caminho; façamos a diferença no mundo ao nosso redor.
            Podemos mudar o mundo, mas precisamos começar mudando o nosso próprio mundo e a nós mesmo, tendo como primeiro passo fazer autoavaliação sempre, se conhecendo de verdade e enfrentando as próprias dificuldades e limitações.
Façamos a vida ter valido a pena.

Gilson Tavares
Psicanalista Clínico, Desenvolvimento de Pessoas e Treinamento Comportamental.
 

Um comentário:

  1. Uma vida que valha a pena ser vivida é aquela em que buscamos desenvolver nossos talentos, curtimos o que fazemos, somos fiéis aos nossos valores e temos alguém com quem compartilha-la!

    ResponderExcluir